Vestido, a peça que faz história

Ele é prático e democrático, porque é peça única e veste todos os biótipos e idades

https://revistaevoke.com.br/wp-content/uploads/2017/07/2017-11-03-10.30.37.png
Janaina Megda
Lifestyle, Moda
14/08/18 15:17

O vestido é aquela peça de roupa que toda mulher tem, nem que seja um. Porque é do tipo que vai do supermercado ao casamento, de acordo com o tecido e acessórios utilizados.

Ao longo do tempo alguns vestidos, em especial, fizeram história  marcando época e lançando seus criadores ao estrelato.

Quem não conhece o pretinho básico? E foi com essa criação que Coco Chanel apareceu vestida num evento da alta sociedade, na  Paris dos anos 20 , chocando pelo comprimento acima do joelho e pela cor que era usada somente pelas viúvas  e empregadas domésticas.

“Uma mulher precisa de apenas duas coisas na vida: um vestido preto e um homem que a ame”. Coco Chanel, falando sobre sua criação.

Tem também o perigoso tomara-que-caia, que surgiu a partir dos corseletes do século XV, criado pelo figurinista  Jean Louis para a atriz Rita Hayworth usar no filme Gilda, em 1946.

Outro vestido icônico é o wrap dress ( vestido envelope) , criação da  estilista Diane Von Furstenberg nos anos 70. No primeiro ano da criação foram vendidos 4 milhões do modelo , mundo afora.

“Sinta-se mulher, vista-se como mulher” – Diane von Furstenberg , pra campanha de lançamento do wrap dress..

Inspirados por essa peça única, vamos falar sobre as referências das décadas passadas a partir dos anos 50 e mostrar vestidos atuais inspirados por elas.

 

Anos 50

Paris era a capital da moda  e  Christian Dior era o estilista dos sonhos, com suas saias e vestidos  rodados e cintura marcada .

Vestido Fendi – Farfetch

Tops bem estruturados ,calça cigarrete ,  scarpim, meia soquete. Óculos e delineador no melhor estilo gatinho.

 

Anos 60

Os famosos vestidos  A , a minissaia e a estampa vicchy vieram com força  nessa época.  Sapatilhas,  sapato-boneca e bota baixa nos pés. A máscara nos cílios de cima e debaixo foram marca registrada da época, difundida através do ícone dessa década: a modelo Twiggy

Vestido Gucci – Farfetch

 

Anos 70

Vestidos e saias longas, fluidez nos tecidos , botas de cano longo .Cabelos longos e mais naturais ,valorizando as ondas . Óculos redondinhos .

Vestido Black Coral – Farfetch

Faça amor não faça guerra , era o lema.E as estampas florais estavam em alta . A atriz Farra Fawcett e acantora Janis Joplin eram as referências.

 

Anos 80

A década das cores… muitas cores, quanto mais misturadas e flúor, melhor! Legging , collants, polainas saíram das academias e foram pras ruas.E babados e mangas bufantes. Os cabelos eram  repicados  e usados bem armados , com laços grandes. A década dos excessos, do lurex, da sandália com meia.

Madonna chegou chegando e lançando tendência.

 

Anos 90

Após os excessos da década anterior, os anos 90 vieram mais limpo.

O auge do jeans , blazers, tênis e camisas brancas. Mas também o grunge surgiu com muito xadrez vermelho misturado a peças pretas.

Foi a década das super models : Naomi Campebell, Cindy Crawford, Kate Moss e nossa Gisele Bunchen, começando .

 

Anos 2000

Virou o século , e com isso  tudo ficou misturado.

Conjunto Marta Medeiros – Farfetch

Mas os cabelos alisados , croppeds e mistura de marcas soifisticadas com as populares foram uma marca.

E de tempos em tempos uma década das as caras com mais força, fast fashions trazem a última tendência MAIS RÁPIDO que as grandes marcas.

Tudo pode, mas nem tudo convém…

A era do “se olhe no espelho” , se aceite, se respeite.

 

 

Revista Evoke

Acompanhe todas as novidades pelo instagram.