Tecnologia e afeto, uma nova forma de morar

Sair do automático e usufruir de tudo o que a tecnologia pode nos proporcionar com consciência do futuro e consistência do presente

https://revistaevoke.com.br/wp-content/uploads/2017/07/revista-evoke-colunista-barbara.jpg
Barbara Bertin
Arq & Decor
08/01/20 14:30

Desta vez, farei algo diferente: convidei uma amiga, a arquiteta Adriana Pestana, para falar sobre a presença da tecnologia nas residências. Afinal, quem não gosta de uma casa aconchegante, segura, confortável, que economize energia e que você possa conversar com ela?

Com a palavra, Adriana Pestana…

Morar com o máximo de praticidade e aconchego não vem sendo as únicas premissas priorizadas pelas famílias brasileiras na hora de escolher como morar.

Preceitos de tecnologia e sustentabilidade, especialmente nessa época em que a queimada das nossas florestas está tão em evidência, também passaram a fazer parte do rol de preferências de quem prioriza o bem viver. Moradias inteligentes acabaram virando sinônimo para tudo isso, onde todos esses conceitos se unem para proporcionar bem-estar, qualidade de vida e sustentabilidade.

Vale a pena ressaltar que o conceito de inteligência não está apenas na questão tecnológica da Domótica – termo voltado para a automação residencial desde a década de 70 e disseminado pelo Inteligent Building Institute com sede em NY. Mas para a integração de todos os fatores que juntos conseguem propiciar uma nova forma de morar e de se relacionar com a tecnologia dentro da própria casa.

Esse relacionamento está diretamente ligado aos principais pilares da Domótica e aqui estamos falando de economia, onde é possível economizar energia de forma expressiva, cerca de 30%, segundo a Associação Brasileira de Automação Residencial, de Segurança (Aureside), que aflige cada vez mais as pessoas em todo o mundo e de conforto, essencial na vida do ser humano, além de uma estética mais leve, harmoniosa e aconchegante.

O que nos leva a crer que o que importa agora é desacelerar e focar no que realmente importa, simplificando o modo de viver, automatizando realmente tarefas que nos proporcionam tempo para conviver com quem amamos e de quem queremos cuidar, pois a distância agora não é mais uma barreira para fazermos isso, já que câmeras e sistemas de automação com controles pelo celular estão cada vez mais comuns no dia a dia da arquitetura residencial e da vida das pessoas.

Na verdade, estamos falando de sair do automático e resgatar nossas raízes e de conviver com mais afeto, usufruindo de tudo que a tecnologia pode nos proporcionar sem exibicionismos, mas com consciência do futuro e consistência do presente.

Não estamos mais falando de uma robotização fria e inatingível, nem de espaços automatizados e sem vida, mas de processos e experiências enriquecedoras e inclusivas, como as mais recentes tecnologias: Streaming (Netflix e Spotfy), assistentes de voz (Google home e Alexa), Automação residencial e corporativa, Internet das Coisas e Inteligência Artificial. Todas elas já estão e  irão revolucionar a forma como lidamos com nosso próprio lar, com as pessoas e com o mundo.

Essa revolução que há muito já acontece em outros lugares, como nos EUA e Europa, onde desde a década de 20 com os primeiros eletrodomésticos (época da  3° revolução industrial que trouxe eletrônicos, tecnologia da informação e das Telecomunicações) já se falava da casa do futuro, pois a intenção era facilitar o dia a dia das pessoas, e agora estamos a bordo da chamada quarta revolução industrial.

De acordo com o canadense Klaus Shwab, criador do termo, em seu livro ” A Quarta Revolução Industrial” lançado em 2016, Internet das coisas, inteligência artificial e robótica são alguns dos campos em que é fácil identificar mudanças práticas para a vida das pessoas. A automação está chegando às casas, ao relacionamento com empresas e, claro, aos smartphones – dispositivos com raízes na revolução digital, mas que, dia após dia, tornam-se mais inteligentes e automatizam as tarefas cotidianas.

Tudo isso nos mostra que a evolução tecnológica, marcada pela convergência de várias tecnologias disruptivas, é uma mudança de paradigma que está transformando a forma como consumimos e nos relacionamos, é algo permanente e crescente em todas as áreas e atividades e que teremos que nos adaptar a ela de uma forma ou de outra, e já nos adaptamos, mesmo sem perceber, pois não há mais como negar isso, mas sempre lembrando que o que importa é a essência a convivência com a família, o lazer, e o descanso buscando uma relação mais ecológica e harmoniosa com os recursos naturais preservando nossas próximas gerações desde agora.

 

 

 

Adriana Pestana

Arquiteta e Urbanista

Especialista em Domótica e Edifícios Inteligentes (Universidade Politécnica de Madri /Espanha

 

 

Revista Evoke

Acompanhe todas as novidades pelo instagram.