Espetáculo JK Um Reencontro com o Brasil

Obra que já foi vista por 8 mil pessoas chega no DF

http://revistaevoke.com.br/wp-content/uploads/2017/09/revista-evoke-avatar.png
Revista Evoke
Cultura, Entretenimento
29/06/18 19:00

A Secretaria de Cultura DF, o Museu Nacional e a Fundação Brasil Meu Amor (FBMA) trazem para o berço da inspiração da obra o espetáculo “JK: Um Reencontro com o Brasil”. Capital Federal e símbolo máximo do desenvolvimentismo e dos novos tempos em que o Brasil estava ingressando com Juscelino Kubitschek. Brasília terá três apresentações do espetáculo: nos dias 28, 29 e 30 de junho no Auditório do Museu Nacional.

O espetáculo retrata através de projeções e canções como “Um Índio” (Caetano Veloso), “Lamento Sertanejo” (Gilberto Gil, Dominguinhos) e “Daqui Pra Frente” (Glaucia Nasser, Tiago Vianna, A. Lemos), entre outras obras consagradas da MPB, interpretadas pela cantora e cofundadora da FBMA, Glaucia Nasser, a trajetória, a obra e o amor de JK pelo Brasil.

O intuito da Fundação é levar os espectadores a uma viagem pela história de superação de Juscelino Kubistchek. E também de outros brasileiros de coração que fizeram do país uma referência para o mundo. “Queremos levar uma mensagem de esperança para conectar cada pessoa da plateia à “alma do Brasil”. Vamos relembrar a fé e a alegria de ser brasileiro. Além da confiança de que nosso país pode ser o melhor lugar do mundo”, conta Glaucia Nasser.

O espetáculo estreou com grande sucesso em Brasília (DF) em maio de 2017. Já passou por cidades como Curitiba (PR), Campinas (SP), Belo Horizonte (MG). Além de mais uma série de cidades do interior mineiro, somando mais de 8 mil espectadores. A obra une música, artes cênicas e visuais em uma experiência inesquecível. Oferece um resgate da história de nosso país e o apresenta como o caleidoscópio que é, com sua poesia, o talento de sua gente e sua natureza exuberante.

A Direção Musical & Arranjos é de Paulinho Dáfilin. Glaucia é acompanhada pelos músicos Fernando Nunes (baixo), Pedro Cunha (teclados e acordeon), Chrys Galante e Leandrinho Vieira (percussão), Thiago Gomes (bateria), Guiza Ribeiro (guitarra e violões), Jonas Moncaio (violoncelo) e Paulo Dáfilin (violões).

“JK: Um Reencontro com o Brasil” convida o público a construir um novo Brasil, um sonho que hoje parece impossível, trazendo à tona o melhor do País e a esperança em transformar sua realidade.

Os ingressos para o espetáculo são gratuitos e podem ser retirados com os monitores da exposição “O Silêncio que Grita”, sobre JK, que está aberta de terça-feira a domingo, na Galeria Térrea do Museu Nacional. A classificação indicativa é livre. O espetáculo tem início às 20h, no Auditório 1 do Museu Nacional da República (Setor Cultural Sul, Lote 02, Brasília). Os ingressos serão distribuídos a partir das 18h, na entrada térrea do Museu do Nacional. Informações através do email: contato@brasilmeuamor.org.br ou pelo telefone: (61) 99185-2389.

 

“O silêncio que grita” – Exposição e lançamento do livro

O silêncio que grita

Além do espetáculo, a Fundação Brasil Meu Amor traz para Brasília a exposição “O silêncio que Grita”. Realizada no Museu Nacional da República, a mostra traz imagens que unem os povos e grandes sonhadores, apagando a linha imaginária do tempo. De olhos abertos, perdemos o limite do chão. Esta viagem é também um grito de alerta: O Brasil livre, sonhado por JK e tantos outros, precisa de todos nós, novos candangos para cumprir o destino de ser o melhor país de mundo.

A exposição será realizada de 15 junho a 29 de julho. Estará aberta de terça à domingo, das 9h às 18h30, na Galeria Térreo do Museu Nacional da República. As imagens e frases contarão a história do mundo desde o Iluminismo até a fundação de Brasília, incluindo retratos do universo indígena, dos candangos que construíram a Capital Federal e de Juscelino Kubitschek contracenando com todos.

Em conjunto com o espetáculo e a exposição, a Fundação lançará o livro que inspirou e leva o mesmo nome da mostra: “O silêncio que grita”, de autoria de Jean Obry. O coquetel que apresentará o livro será realizado no dia 28 de junho, às 18h30. O autor vai autografar sua obra a partir das 16h, também na Galeria do Térreo do Museu Nacional da República. Nos dias 29 e 30 de junho, no mesmo local, também haverá tarde de autógrafos a partir das 16h.

A obra, que tinha como ponto de partida contar a história de um homem, Juscelino Kubitschek de Oliveira, se multiplicou. O autor, que esteve presente no sepultamento de JK, se debruçou por mais de 15 anos em pesquisas e percebeu que a alma de Juscelino se mescla e fica totalmente incorporada à vida de seu país; um homem completamente apaixonado e integralmente dedicado a valorizar o seu povo, suas instituições e a sua história.

Sem intenção de criar um novo mito sobre Juscelino, Jean Obry afirma que, antes, pretende “livrá-lo do mito injusto que lhe foi imposto, e que prejudica essencialmente o nosso Brasil moderno, para restituir enfim o seu valor como um homem que se dispôs a servir seu País e que por isso tem seu lugar verdadeiro e marcante.”

Entre os assuntos retratados no livro, o autor refuta uma série de imputações feitas a JK: “Sofreu acusações de ser a quinta maior fortuna do planeta, de ser corrupto, de ter as contas do País mascaradas, de ter falido o Brasil e muitas outras inépcias. As CPIs, as diferentes pesquisas reforçaram o tempo toda a inexistência de qualquer embasamento elementar, mesmo que sutil, em todas essas acusações”, escreve Jean Obry em um trecho de “O silêncio que grita”.

Jean Obry é humanista, um experimentador da vida, com uma formação bastante eclética e ampla, que lhe permitiu se aprofundar em diversos campos do conhecimento, dentre os quais Psicossomática, Grafologia, Psicanálise e Sociologia. Atualmente, preside a Federação Brasileira de Grafologia Crepièux-Jamin e é o Presidente da Fundação BRASIL MEU AMOR, da qual foi idealizador e criador.

 

JK, Um Reencontro com o Brasil

Data: 28, 29 e 30 de junho

Horário:20h | Duração: 1h20 min

Local: Auditório 1 do Museu Nacional da República (Setor Cultural Sul, Lote 02, Brasília)

Ingresso: Entrada franca (1 quilo de alimento não perecível). Distribuição de ingressos a partir das 18h, na entrada térrea do museu.

Classificação indicativa: Livre

 

Livro “O Silêncio que grita”, de Jean Obry

Data: 28, 29 e 30 de junho

Horário: às 16h, com coquetel de lançamento dia 28, às 18h30

Local: Galeria Térrea do Museu Nacional da República (Setor Cultural Sul, Lote 02, Brasília)

Ingresso: Entrada franca (1 quilo de alimento não perecível)

Classificação indicativa: Livre

 

 

Revista Evoke

Acompanhe todas as novidades pelo instagram.