Erro na fatura de telefone?

Saiba quais medidas devem ser tomadas em cobranças telefônica indevidas

Revista Evoke
Direito, Notícias
26/01/18 12:37

A cada início de ano, é comum que as empresas passem a planejar seu orçamento mensal e comecem a rever seus planos de investimentos para redução de custos. Normalmente o setor de telecomunicação é o primeiro a sofrer cortes, por isso, adotar um sistema de auditoria e gestão telefônica acaba sendo a melhor saída para evitar gastos exorbitantes.

Hoje, apenas 2% das empresas brasileiras possuem algum serviço de auditoria ou gestão telefônica, já as cobranças indevidas continuam sendo líder de reclamações. Itens como tarifas, planos não contratados, linhas a mais e até mesmo serviços cancelados que voltam para sua conta acabam acontecendo frequentemente, pois infelizmente, esse é o atual modelo de negócio das operadoras.

Ao gerenciar várias linhas telefônicas ao mesmo tempo, é natural não ter tempo hábil para conferir cada fatura detalhadamente. Porém, é necessário ficar atento aos aumentos inesperados pois esse tipo de comportamento pode causar grandes prejuízos às empresas. Após verificar divergências no contrato, o primeiro passo a ser tomado é entrar em contato com a operadora de serviço e solicitar a segunda via da fatura sem as chamadas e/ou serviços não reconhecidos, caso ainda não tenha pago; ou o estorno dos valores, em caso de quitação. O prazo para o usuário contestar junto à empresa é de três anos – contados da data da cobrança considerada indevida e a prestadora tem até 30 dias, contados da reclamação, para responder a solicitação. Na ausência dessa resposta, ela ficará obrigada a devolver os valores questionados, porém é necessário que o consumidor “fique no pé” da empresa.

Caso a reclamação com a operadora não surta os efeitos desejados, o consumidor deverá fazer uma reclamação junto à Agencia Nacional de Telecomunicações – ANATEL, ou, procurar o Procon. É importante sempre estar com os números de protocolo, contratos e faturas. Outra alternativa cabível nesses casos é a solução judicial para solicitar que cessem as cobranças ou a restituição de valores já pagos, que poderá ser em dobro em caso de má-fé da empresa. É importante ressaltar que assim como a contabilidade, o serviço de auditoria deve ser feito todos os meses, pois os serviços mudam a todo momento.

 

 

Revista Evoke

Acompanhe nosso instagram e veja no stories as novidades.