Distrito Cultural

Quantas Brasílias existem?

http://revistaevoke.com.br/wp-content/uploads/2017/07/revista-evoke-colunista-marcia-zarur.jpg
Marcia Zarur
Notícias, Olhar Brasilia
20/06/17 16:03

Quantas cidades cabem dentro de uma cidade só? Quantas realidades formam a capital? De quantos sotaques se fez o nosso jeito de falar?

A cultura candanga é rica e forte, apesar de jovem. Já temos uma cara própria e nos reconhecemos como únicos. Brasília agrega influências de outros estados, e até de outros países, mas não há outra cidade igual. O brasiliense construiu seus hábitos, suas gírias, sua memória afetiva.

Da minha geração há lembranças que nos ligam para sempre à cidade: as sessões no cine drive-in ou no Karim criança, a piscina de ondas, o parquinho Ana Lídia, as tardes na Biblioteca demonstrativa, as antigas lojas da W-3…

Brincar embaixo do bloco – quer uma imagem mais brasiliense do que essa?

A terra vermelha, o concreto armado, as grandes áreas verdes. As siglas e números que nos orientam numa lógica exclusiva, que faz todo o sentido pra quem é daqui, mas gera enorme confusão pra quem vem de fora. Tudo isso é a nossa cara!

Mas a alma de Brasília transcende a Esplanada dos Ministérios e transborda por todos os cantos do quadradinho! Há vida pulsando muito além das asas do plano piloto.

Fazer um programa de TV apresentando toda essa riqueza e um pouco da identidade brasiliense foi um imenso desafio. O Distrito Cultural surgiu para mostrar os cantinhos escondidos e gente anônima e famosa que produz cultura o tempo inteiro e continua construindo a cidade todos os dias.

Para uma candanga como eu, nascida e criada aqui e apaixonada pelo sonho nde JK, foi a chance de mergulhar nessa cidade e descobrir que ela abarca tantas Brasílias, que acolhe tantas faces, que agrega tantos costumes.

Afinal Brasília e o Distrito Federal se misturam e se separam o tempo todo. Para os geógrafos a cidade é uma só. Isso transformaria Taguatinga, Brazlândia e Sobradinho em bairros. Mas a força dessas satélites, que não orbitam mais tanto em torno do plano, mostra que todas têm vida própria.

Ceilândia é um grande polo cultural com a Casa do Cantador, a literatura de cordel e a feira com aroma nordestino. A cidade que nasceu sob a marca da Campanha de Erradicação de Invasões é palco também da poesia, do hip hop, do rap e do grafite. A força da cultura se sobrepõe ao estigma e cria uma nova imagem, preenchida de esperança.

Cada cidade-bairro é um pedaço importante de Brasília. Juntas vão completando o nosso ‘quadradinho’, que tem o avião no centro de tudo. Como um imenso mosaico ou um painel de Athos Bulcão. Brasília é muitas coisas, feita da diversidade, dos contrastes e de mil faces, que juntas formam a cidade da qual nos orgulhamos tanto.