Diabetes tipo 1 e atividade física

Conheça um pouco mais sobre essa relação

http://revistaevoke.com.br/wp-content/uploads/2017/09/revista-evoke-avatar.png
Revista Evoke
Bem Estar, Saúde
29/06/18 19:11

Diabetes tipo 1 é uma doença autoimune caracterizada pela produção de anticorpos direcionados às células beta do pâncreas. O que desencadeia a produção desses auto anticorpos não está totalmente estabelecido. Inclui suscetibilidade imunológica e aspectos ambientais. Não estão relacionado ao sedentarismo ou a maus hábitos alimentares, como ocorre no diabetes tipo 2.

As células betas pancreáticas são responsáveis pela produção de insulina, hormônio indispensável à vida. Por isso, após a instalação da doença – que normalmente ocorre antes dos 20 anos de idade, sendo considerada a endocrinopatia mais comum em crianças e adultos jovens -, o paciente precisa repor insulina por meio de injeções subcutâneas diárias (ou por bomba de infusão contínua) para o resto da vida.

A principal função da insulina é permitir a captação da glicose sanguínea pelas células. É utilizada como substrato energético para inúmeras funções metabólicas. Na ausência de insulina, ocorre hiperglicemia (glicose alta no sangue), podendo chegar a níveis elevadíssimos. Isso gera um risco de coma e morte em poucos dias.

Além da administração de insulina, o tratamento da doença inclui uma alimentação adequada e a prática de atividade física. Seja aeróbica ou resistida, a atividade física traz benefícios ao aumentar a captação de glicose pelos músculos e aumentar a sensibilidade à insulina, reduzindo as doses necessárias da medicação e facilitando o controle glicêmico. Além disso, auxilia no controle de peso e na melhora da função cardiovascular, prevenindo futuras complicações.

O principal risco associado à prática de atividade física no diabético tipo 1 é a ocorrência de hipoglicemias (glicose baixa no sangue), que pode ocorrer pelo excesso de insulina ou de atividade física, associados a uma alimentação inadequada. Por isso, o acompanhamento profissional multidisciplinar com endocrinologista, nutricionista e educador físico é fundamental para o correto ajuste de doses e para as orientações e cuidados necessários.

Com o tratamento adequado, diabéticos tipo 1 podem praticar qualquer tipo de atividade física, desde as mais leves até os esportes mais radicais e, atualmente, há atletas de sucesso em diversas modalidades esportivas que são portadores da doença.

 

Por Dra. Vanessa Corvino Médica e diabética tipo 1 desde os 10 anos de idade

Instagram: @medicafitdiabetica

 

Revista Evoke

Acompanhe todas as novidades pelo instagram.