Animais também ficam gripados!

Veterinária de Brasília recomenda o uso de roupinhas próprias para o frio e uma alimentação correta como formas de prevenção da gripe

Revista Evoke
Bem Estar, Vida Animal
16/11/17 17:16

Comuns nos seres humanos e com grande incidência nos períodos mais frios e secos do ano, a gripe também acomete os animais ao longo da vida.

Assim como no homem, cães e gatos podem ser contaminados pelo vírus de formas distintas, no entanto, não é difícil identificar quando um cachorro, por exemplo, está gripado, pois os sintomas se apresentam de forma similar ao das pessoas.

Friagem, ventos fortes e gelados são fatores que influenciam no surgimento da gripe canina. Mas, o vírus da Parainfluenza Canina e do Adenovirus Tipo II, além da bactéria Bordetella Bronchiséptic, também podem ser tidos como agentes da doença, provocando até mesmo a “Tosse de Canis”.

Desse modo, os sintomas são bastante característicos, mas os que mais se destacam são: tosse seca – dando a impressão de que o animal está engasgado –, espirros, secreções nasais e expectoração. No entanto, nos casos em que a doença se desenvolve mais rapidamente, ela pode ocasionar outras doenças mais graves, como a pneumonia, por exemplo, que, em animais é mais difícil de ser tratada e pode levar o animal ao óbito.

De acordo com a médica veterinária à frente da NaturalPet, Ana Catarina Valle, um alimentação adequada é a principal forma de se evitar a gripe em animais e, segundo ela, o uso das roupinhas são fundamentais para protegê-los dos frios, principalmente àqueles mais friorentos, já que não existe vacina específica para eles. “A alimentação deve ser correta para que o organismo aproveite da melhor forma os nutrientes, fortalecendo o sistema imunológico. Além disso, não se pode deixar o animal sedentário, deve-se sempre incentivar as corridas e caminhadas, para que ele possa se exercitar e ter uma vida mais saudável”, conclui.

 

 

Revista Evoke

Acompanhe nosso instagram e veja no stories às novidades.